2007-12-11

Connectis

Avaliar a capacidade de empreender
Por Sílvio Brito

Como podemos saber se somos empreendedores? Empreender pode traduzir-se na perseguição dos sonhos ou na concretização das ideias, ou na elaboração de planos criativos. Quando temos algo em mente, que queremos desenvolver e não podemos, temos de procurar alguém que nos apoie, alguém que vai além do nosso conhecimento e do conhecimento de nós mesmos e da recolha de informação, e todavia, apenas a parceria não chega. Simplesmente porque como seres atitudinais que somos, e dado o empreendedorismo ser uma atitude perante a vida, poderemos evidenciar que a capacidade de empreender merece e deve ser avaliada. Porém, a avaliação, acima de tudo, deve incluir a forma como é educada, e aí procurar entender – se porque se educa e que estratégias e planificação contribuem para a sua formação, ou seja, ter confiança si próprio – ser criativo!

Desenvolver um processo neste sentido é essencial para observarmos as condutas que materializam esta atitude. Escrever frases curtas indutoras de confiança em nós próprios, escolher as melhores e solicitarmos a opinião de alguém próximo de nós ou do público, de modo a elogiá-las e trabalharmos projectos intensivos como programar inquéritos sobre temas da comunidade local ou empresarial, efectuarmos um concurso de inventos, organizar uma semana de criatividade, torna o processo viável e possível para nos encontrar-nos a nós mesmos e expandirmos a nossa criatividade, a nossa capacidade que nos possibilita virmos a ser empreendedores.

Portanto, numa escala de observação possível seria o uso de uma escala de frequência, entre o “nunca” e o “quase sempre”, acerca da renuncia de ideias e submissão pública das mesmas, sobre a timidez, sobre o desânimo perante as dificuldades. Para complementar as observações poderíamos efectuar um questionário com perguntas de temas, tais como: capacidade de alcance de objectivos na vida, infusão de temores/receios, alternativas entre a obediência e o ser livre.

Seremos então capazes avaliar a capacidade de empreender? A meu ver, a resposta é sim, e porque não torná-la num exame de consciência quotidiano? Melhoraria a vida das sociedades, e em muito.

Sílvio Brito é licenciado em Gestão dos Recursos Humanos e Psicologia do Trabalho pelo ISLA, Mestre em Gestão, na área do Comportamento Organizacional, pela Universidade Lusíada, e Doutor em Psicologia Evolutiva e da Educação, pela Universidad de Extremadura, Espanha.

Instagrams

© Vasco Eiriz. Design by Fearne.