Dissertação de mestrado

The Tender, Fairfield Porter (1907-1975)

***

Estratégia e Relacionamento em Canais de Distribuição de Vinhos
Helena Maria Pereira da Silva Malheiro
2014

«Esta dissertação analisa o desenvolvimento de estratégias de distribuição e explica os relacionamentos gerados no seio dos canais de distribuição de vinhos portugueses no mercado doméstico. O objetivo principal passa por compreender diferentes formas de cooperação entre os atores do sector, tendo em conta os seus objetivos estratégicos e o modo como os membros dos canais de distribuição se articulam e relacionam entre si por forma a melhorar a sua capacidade de ação no mercado. Foi adotada uma metodologia qualitativa através de um método pouco explorado, o método Delphi, que envolveu um painel de nove participantes. De forma complementar foram realizadas quatro entrevistas em profundidade a retalhistas do setor como forma de enriquecimento e validação dos resultados obtidos através do método Delphi. Os resultados alcançados permitiram identificar os formatos de distribuição mais relevantes, analisar os tipos de relacionamento que se estabelecem entre os diferentes membros dos canais de distribuição, identificar os principais desafios e oportunidades para estes membros, e identificar formatos de distribuição de vinhos com maior potencial de crescimento.»

Dissertação de mestrado

Farmstead, Baie-Saint-Paul, Clarence Gagnon

***

Estratégia e Cultura nos Três Maiores Clubes de Futebol Portugueses
Frederico Emanuel Teixeira Portocarrero Baganha Cardoso
2014

«Esta dissertação analisa a relação entre cultura organizacional e estratégia de clubes de futebol. Faz uma análise comparativa da forma como os três maiores clubes de futebol portugueses gerem a sua estratégia no que respeita às seguintes áreas de estudo: mudança; liderança e controlo; e rivalidade, concorrência e capacidades dinâmicas. No que respeita à cultura organizacional são consideradas as seguintes áreas: análise histórica e cultural; cultura e socialização organizacional; e recursos idiossincráticos. A metodologia utilizada baseou-se na análise documental e na realização de três grupos de foco compostos por um total de vinte e quatro adeptos dos três maiores clubes de futebol portugueses: Futebol Clube do Porto; Sport Lisboa e Benfica; e Sporting Clube de Portugal. A dissertação dá um contributo para compreender de que forma a estratégia e a cultura estão relacionadas no futebol em geral, e nos clubes estudados em particular. Para além da compreensão conceptual da relação entre estratégia e cultura, esta dissertação dá um contributo ao estudar o tema num contexto habitualmente pouco explorado, embora rico para a análise empírica do tema. Dá também um contributo prático mostrando de que forma os clubes de futebol podem usar a sua esfera cultural para melhorar a sua estratégia, e de que forma a estratégia pode ajudar a fortalecer a cultura organizacional desses clubes.»

Mundo global



Num mundo cada vez mais global, uma empresa é frequentemente confrontada com a necessidade de melhor abordar os seus mercados além fronteiras. Por um lado a adaptação da oferta e, por outro lado, a sua estandardização são abordagens alternativas para responder àquela necessidade.

Os defensores da estandardização, ou seja, disponibilizar a mesma oferta em todos os mercados, insistem em que dela resultam significativas economias de escala na produção, distribuição e gestão. Esta abordagem permite ainda estabelecer uma imagem de marca global e introduzir facilmente novos produtos num grande número de mercados em simultâneo.

Os defensores da adaptação advogam que deverá ser esta a alternativa a implementar, dadas as diferenças entre países a nível cultural, económico, legal e de gostos e preferências dos consumidores.

No compromisso parece estar o ganho. Veja-se o caso da CNN. A CNN é uma estação de televisão que emite para todo o mundo um serviço televisivo facilmente reconhecível em qualquer parte. A CNN internacional define-se a si própria como um canal internacional com sede em Atlanta, Estados Unidos da América, e não como um canal americano que emite internacionalmente. A sua oferta ao consumidor consiste basicamente num serviço estandardizado para uma audiência global de milhões de lares. Contudo, essa oferta é sujeita a adaptações em diferentes zonas do globo através de emissões locais. Na procura de crescimento, alguns canais como a CNN+ e CNN Turk são também exemplos de adaptação respectivamente aos mercados de Espanha e Turquia.

Através desta estratégia, a CNN consegue obter os benefícios duma estratégia de estandardização e de adaptação que se complementam. Se, por um lado, a estandardização lhe permite afirmar com eficiência a sua marca e tornar-se a maior televisão de notícias do mundo, por outro lado, a adaptação a mercados como o espanhol ou turco permite-lhe aí penetrar com grandes benefícios em termos de audiência, publicidade e produção de conteúdos para alimentar outras emissões.

O exemplo que vimos diz respeito a uma grande empresa a actuar no mercado global. Em todo o caso, a aplicação da estandardização e adaptação são opções que se colocam a todas as organizações, qualquer que seja a sua dimensão, oferta e mercado. Na verdade, este é também um desafio por exemplo para pequenas empresas cujas ofertas podem ser estandardizadas numas características e adaptadas noutras em função das particularidades de cada mercado ou segmento de mercado em que actuam.

Concluindo, estandardização e adaptação puras não são provavelmente estratégias alternativas com grande aplicabilidade. Diferentes mercados premiarão diferentes estratégias. Nuns casos, a estandardização provocará benefícios acrescidos. Noutros casos, os mercados rejeitam produtos estandardizados e requerem adaptações constantes. Noutros, as empresas têm a ganhar em complementar as duas abordagens. Na capacidade de gerir esta diversidade está o ganho.

Dissertação de mestrado

Coastal Landscape, Bohuslän, Inge Schiöler (1908-1971)

***

Desenvolvimento de Marcas Coletivas Internacionais no Sector do Calçado
Catarina Rosária Pinheiro Carvalho
2014

«O desenvolvimento de marcas é já uma realidade no setor do calçado português. Existem sérias dificuldades na sua afirmação mas a cooperação entre empresas pode ser uma resposta a essas complicações. Esta investigação sobre marcas coletivas no calçado tem como objetivos: clarificar o conceito de marca coletiva; compreender os desafios e vantagens associadas ao desenvolvimento de marcas coletivas; avaliar o nível de cooperação entre empresas produtoras de calçado com vista a identificar o potencial de desenvolvimento de marcas coletivas; e compreender quais os parceiros ideais para este tipo de cooperação. Ou seja, procura-se compreender até que ponto as relações de cooperação entre empresas produtoras de calçado podem contribuir para o desenvolvimento de marcas coletivas. O estudo realizado baseia-se num modelo teórico que apresenta as barreiras e incentivos ao desenvolvimento de marcas coletivas. Este modelo é composto por sete constructos, a saber: formação de aliança de cooperação; sucesso percebido da aliança; atitudes sobre a aliança; experiência de cooperação; experiência de marca própria; gestão do projeto; e parceiro ideal. Este modelo permitiu o desenvolvimento de quatro proposições testadas através de nove entrevistas a empresas e outros agentes do sector de calçado. Os dados qualitativos foram tratados recorrendo à análise de conteúdo. Os resultados obtidos permitiram validar integralmente três proposições e validar parcialmente uma outra proposição. Este estudo mostra que as empresas produtoras de calçado tendem a ser recetivas a relações de cooperação horizontal para o desenvolvimento de marcas coletivas; essas empresas partilham o mesmo património e tendem a não encarar outras empresas produtoras de calçado como concorrentes, algo que pode favorecer a cooperação para desenvolver marcas coletivas; uma marca coletiva pode funcionar como um elemento facilitador da extensão de uma marca própria individual; e as empresas de calçado tendem a encarar a marca coletiva como uma maneira de diminuir os riscos associados ao desenvolvimento de marcas.»